Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a humanidade. E não estou alegre nem triste; este é o destino dos versos [...]. Quem sabe quem os lerá? Quem sabe a que mãos irão? Fernando Pessoa.

Obs. usando a autonomia que a licença poética e a própria cultura brasileira me permitem, não adoto linearmente essa segunda outorga (arbitrária) da língua portuguesa.


segunda-feira, setembro 10, 2012

Inferioridade por outorga...(guacira maciel)

Creio que não existem acasos e que tudo tem uma lógica e uma razão na mágica de existir; que na Criação nada é aleatório, e que na vida há uma previsão maior de que os acontecimentos concorram para determinado fim, excluindo-se, obviamente, as ações decorrentes em linha direta do uso do “livre arbítrio” e até mesmo, como nos refere a Física Quântica, das possibilidades do observador. Por essa razão, creio também que algumas realidades precisam ser lidas de forma menos determinística na trajetória da evolução do mundo e das pessoas, aliás, para que essa evolução possa seguir seu curso, alguns mistérios e seus desdobramentos são passíveis de análise, estando entre eles a Justiça. Me refiro à uma Justiça muito mais ampla e profunda, e fonte dessa evolução.
Há poucos dias em uma conversa entre pessoas de muito bom nível cultural e de escolaridade, alguem relatava fatos de sua vida e fez, com muita convicção – e esperando das pessoas presentes anuência e admiração por sua tese - uma colocação que me causou surpresa...esperei que alguem mais se espantasse, porém senti que fora a unica incomodada, ou com coragem para questionar esta afirmação:
__ “ ...porque, é claro, na vida, uns nascem para usar o chicote e outros para apanhar...”
 Ouvir aquilo me incomodou profundamente e, embora correndo o risco de ser destratada, ousei contestar aquela teoria:
__ Então, para você, os seres humanos são reféns de sua condição material?...
Fui olhada com alguma surpresa pelo fato de ter ousado duas vezes: ter interrompido sua retórica e contestá-lo à frente dos ouvintes. Mas continuei: essa teoria estaria afirmando a vida como uma compulsoriedade; em ultima análise, uma visão elementar e primária da mais completa impossibilidade, que se impõe e contradiz, desde os princípios da Criação, da Justiça, até o mais simples pensamento de exercício e realização de democracia e dos direitos individuais, e até da própria realidade.  Considero esse pensamento de um primitivismo científico que vem, inclusive, contradizer as mais contemporâneas e comprovadas teorias. Sabe-se hoje, que o cérebro, até pouco tempo considerado a “caixa preta” da vida, tem uma extraordinária capacidade de reorganização, regeneração e reconstrução; que os próprios neurônios, numa  extraordinária demonstração de autonomia, podem se recompor através de um fantástico processo de religamento, até pouco desconhecido e inconcebível.
Nessa perspectiva, o ser humano e toda essa, ainda desconhecida sob determinados aspectos,  capacidade, seria perda de tempo! e, em sendo assim, aqueles que nascem com menor potencial físico, social, econômico ou financeiro, não teriam o direito – inalienável – de aprender, de avançar, de evoluir, de mudar essa condição primeira...
Percebendo que não fora entendida e que meu interlocutor não tinha a mínima disposição de avançar essa discussão, e que os presentes também não queriam se envolver, calei-me. Mas fiquei me perguntando onde estaria a justiça (bem mais rasa, claro) da vida? como uma cabeça que se diz pensante, é capaz de uma teoria dessas, e baseada em quais elementos a engendraria? qual o seu merecimento para estar na atual condição social?...então, alguns povos da Africa, como nos vem mostrando os “Médicos sem Fronteira” a toda hora na TV, o povo do Haiti, entre outros, nasceram para viver e morrer nas condições sub humanas que todos sabemos, sem os  mais elementares direitos como seres humanos? e nessa trajetória, os analfabetos, os doentes, portadores de deficiências, etc...teriam que viver em sua condição inicial, sendo garantida apenas a uma minoria todos os privilegios, acessos, direitos e possibilidades, inclusive, a essa altura, se confirmando o direito à seleção de pureza genética, etc, etc....significando dizer que o Universo poderá ser sacrificado e que somos todos ratos, cobaias engaioladas e alvo da genialidade daqueles que se consideram elite?...

2 comentários:

O Sibarita disse...

Olá dona moça! kkkk Parabéns pela atitude tomada, contestar o absurdo, não é sem razão que o mundo está cada vez mais violento por acolher esses conceitos que nos lembra o nazismo, onde, existem pessoas de primeira, de segunda e até de terceira categória haverá conflito e um mundo desigual.

Ao certo, essas coisas, sempre partem das pesssoas mais esclarecidas, mais estudadas infelizmente. Você fez o certo, fez a sua parte!

Não se conhece pessoas pela cor ou grau de instrução, se conhece pelo que vem de dentro, o externo é burka, véu para muitos. Carl Jung, escreveu: " O que está dentro é que está fora..."

Deixo a tradução da letra da Música WAR de Bob Marley que consta na ONU por discurso do Hailé Selassie Rei da Etiópia.

Guerra (War)

Até que a filosofia que sustenta uma raça superior e outra inferior,

Seja finalmente e permanentemente desacreditada e abandonada

Haverá guerra, eu digo guerra.

Até que não existam cidadãos de 1º
E 2º classe de qualquer nação. Até que a cor da pele de um homem seja menos significante do que a cor dos seus olhos

Haverá guerra

Até que todos os direitos basicos sejam igualmente garantidos para todos, sem discriminação de raça,

Terá guerra


Até esse dia

O sonho de paz duradoura, da cidadania mundial e as regras da moralidade internacional, permanecerão como ilusões fugares
para serem perseguidas, mas nunca alcançadas

Agora em toda parte é guerra, guerra.


Até que os regimes ignóbeis e infelizes, que aprisionam nossos irmãos em Angola, em Moçambique, Africa do sul em condições subhumanas sejam derrubados e inteiramente destruído haverá guerra, eu disse guerra.

Guerra no leste, guerra no oeste,
Guerra no norte, guerra no sul,
Guerra, guerra, rumores de guerra.

Até esse dia, o continente africano
não conhecerá a paz, nós africanos lutaremos se necessário e sabemos que vamos vencer porque estamos confiantes na vitória

Do bem sobre o mal,

Do bem sobre o mal...

Bob Marley

Obrigado pelas palavras no Sibarita, volte sempre sau menina

O Sibarita

Odair Ribeiro disse...

Não digo que uns nascem com o chicote e outros para apanhar.Mas, penso que uns nasceram com uma inteligencia maior e outros menor, independendo do nível social em que nasceu. Até digo que quem nasceu gorila nunca chegará a chimpanzé.

abração, volto.