Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a humanidade. E não estou alegre nem triste; este é o destino dos versos [...]. Quem sabe quem os lerá? Quem sabe a que mãos irão? Fernando Pessoa.

Obs. usando a autonomia que a licença poética e a própria cultura brasileira me permitem, não adoto linearmente essa segunda outorga (arbitrária) da língua portuguesa.


segunda-feira, novembro 30, 2009

Aquece-te... (guacira maciel)

Não te apresses
não dilaceres
o eterno
nas garras fugazes
da paixão
na voluptuosidade
não cabe a impaciência
aquece-te
arde
na gradual excitação
que antecede
o amor no ato
fundamental
antes
amar
um estado de coragem
colhe a rubra
flor dos sentidos
na surpresa do toque
revelado em Vênus
mas tarde-se o fato

2 comentários:

O Sibarita disse...

Oi fia! kkk Não me apresso não, faça fé, oi que bom! kkkkkk

Dona moça Guacira, pois é, na flor dos sentidos os momentos em vênus são intensamentes vividos, valha-me Deus! kkkkk

Porreta sua poesia, demais!

Obrigado por ter ido no Sibarita e pela bondade das palavras, volte sempre, eu estarei aqui! kkkk

bjs
O Sibarita
O Sibarita

Guacira Maciel disse...

Oi, garoto!
Moço...vênus é fogo, mesmo...
Obrigada pelo carinho e me visite sempre, viu?

Beijo.