Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a humanidade. E não estou alegre nem triste; este é o destino dos versos [...]. Quem sabe quem os lerá? Quem sabe a que mãos irão? Fernando Pessoa.

Obs. usando a autonomia que a licença poética e a própria cultura brasileira me permitem, não adoto linearmente essa segunda outorga (arbitrária) da língua portuguesa.


sábado, novembro 23, 2013

Mar de abrolhos...(Guacira Maciel)

Hoje apenas sangro
de orvalho em orvalho
todas as seivas que foram tuas
o sopro de um amor pueril
evade-se da alma impotente
pássaro cativo do ato mais escravo
o teu canto foi calado
deixaste a pradaria em plena cavalgada
o medo indolente incombatido
mata o mistério do gozo de viver
se ainda me deixasses tocar tuas feridas sem receios...
mas nem um olhar
para velar o funeral da ultima andorinha
Já houve festa e amor vestal
recebeste a  visita das auroras em minha cama
roseando as tuas faces
agora alquebradas em solidão azul
também silenciaram-se teus passos de chegada
e o som resfolegante e cristalino dos teus beijos
 um mar de abrolhos murmureja
em nossas doces madrugadas
o vigor da mão do timoneiro
afrouxa e perde-se o colar de pérolas cultivadas
dormes o sono lasso da escravidão
por saber-te só
a dor de te amar sem esperança
invade o meu peito e sangra-o
gota a gota...
 

2 comentários:

Sinval Santos da Silveira disse...

Boa noite,Poetisa!
Parabens pelo belo trabalho.
Abraços
Sinval

Guacira Maciel disse...

Boa noite, amigo.

Obrigada pela visita e pelo delicado comentário.
Abraço,
Guacira.