Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a humanidade. E não estou alegre nem triste; este é o destino dos versos [...]. Quem sabe quem os lerá? Quem sabe a que mãos irão? Fernando Pessoa.

Obs. usando a autonomia que a licença poética e a própria cultura brasileira me permitem, não adoto linearmente essa segunda outorga (arbitrária) da língua portuguesa.


sexta-feira, junho 07, 2013

A festa dos teus olhos...(Guacira Maciel)



Me leva à festa
que o mar faz em teus olhos
pega a minha mão
e me ensina a dançar
como os raios dourados do sol
dançam na tua iris azul
não quero mais
sentir essa saudade devagar
não quero mais o silêncio da lembrança
que tanto faz doer a tua ausência
me leva à festa dos teus olhos
segura a minha mão
me ensina a dançar
o mistério
da eternidade da nossa melodia
preenche com teu abraço
o vazio da tua saída
mais uma vez
agasalha-te em minha pele
e ressona sem cuidado
esquecerei então o amanhecer
incerto de ti e de mim mesma
mas terei ouvido já
palavras doces
promessas vãs
ainda quero ouvir teu riso
quero dançar no mar
me leva pela mão
à festa azul do teu olhar...

2 comentários:

Ricardo Kersting disse...

Muito bonito, leve e denso ao mesmo tempo...
Parabéns Guacira....

Um abraço...!

Ricardo Kersting disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.