Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a humanidade. E não estou alegre nem triste; este é o destino dos versos [...]. Quem sabe quem os lerá? Quem sabe a que mãos irão? Fernando Pessoa.

Obs. usando a autonomia que a licença poética e a própria cultura brasileira me permitem, não adoto linearmente essa segunda outorga (arbitrária) da língua portuguesa.


terça-feira, abril 23, 2013

Dieta? EU??



     Mas a principal recomendação é esta: FUNDAMENTAL AMAR-SE!


 _ Aconteceu!...sempre fui magérrima! tão magra, que quando era criança/adolescente, minha mãe não permitia que vestisse calças compridas, porque achava que eu ficava com aspecto de doente...imagine isso hoje...
_ Mas você não está gorda! qual é a sua altura?
_ Tenho 1,63cm e tenho consciência de que estou com um excesso de 9kg, minha querida...
_ Ah!... você tira isso de letra...come pouco...
_ Nada! não é tão fácil para alguem que nunca, nunca ao menos pensou em deixar de satisfazer todos os desejos gastronômicos. Adorava, e devorava, embora em pouca quantidade, porque sempre comi pouco, docinhos, tortas, frituras, refri, tuuudo o que passava à minha frente, quase de meia em meia hora! estava sempre faminta! rsrs
_ Mas também sempre foi muito ativa e devia metabolizar todos os venenos com rapidez tão grande que nem chegavam a fazer mal.

    Estava lembrando dessa conversa, tida com uma amiga, não faz muito tempo...aliás, há três meses, para ser mais precisa. O que aconteceu, refleti, é que estava com a auto estima tão baixa, tão baixa!...não sentia prazer em nada; nada era interessante em minha vida nesses ultimos anos vividos com um homem que me sempre me pareceu tão doce (hoje eu sei que só enxergava nele o que eu queria, o que me dava a ilusão de estar feliz...); mas, ultimos anos? não! foram quase 11 anos...foi um processo tão lento, embora doloroso,  que eu nem percebia com clareza o quanto estava me deixando destruir interiormente, estava destruindo minha alma, minha sensibilidade...você e seu egoismo, salvo os primeiros cinco ou seis anos, foram devastadores, conseguiram desequilibrar meu tônus emocional de forma inimaginável à quem me conheceu antes de você entrar em minha vida, de forma tão compulsária...mas nada nos acontece sem que permitamos que assim o seja. Fui eu quem permitiu que fizesse isso comigo, mas eu sempre acreditei que aquele amor adolescente havia retornado, como nos romances, para ficar para sempre... sua voz me aquecia como aquela lareira acesa em noites frias de inverno, cuja chama quentinha agasalhava até a alma...eu tinha certeza que seria para sempre, porque não existem acasos; você não voltara sem razão nenhuma após tantos anos...jamais imaginei que me faria sofrer, e tão profundamente. Jamais imaginei, na minha ingenuidade, que poderia me causar algum mal...

_ Mas, amiga, se você chegar a ler este post, saiba que fiz a melhor de todas as dietas...estou livre! o amor não pode fazer sofrer; não é uma fatalidade em nossa vida; ele não pode nos fazer adoecer...inesperadamente tive um encontro comigo mesma desde esses três meses que mencionei; foi uma surpresa maravilhosa; olhei para os lados e ele já não estava lá, ao meu lado, como uma sombra ou uma assombração (risos). Estou bem, emagreci  5kg facilmente, sem sofrimentos; os 4 ou 5 kg restantes, vai ser moleza, porque não sofro por ter me afastado do que me fez tanto mal, já que o que me fez isso não foi o que eu comia, mas o que me fazia comer... agora tomei de volta o timão; .faço exercícios diários e, embora continue comendo pouco, abandonei tudo o que não me dava nada de bom. Passei a comer frutas deliciosas cujo néctar escorre da minha boca macia e brandamente; verduras e legumes muito bem temperados com com gengibre e alho fatiados no azeite, manjericão...um manjar que vem diretamente da mãe Natureza, e uma boa mãe não maltrata. Mas o melhor de tudo, um bálsamo entrou delicadamente em minha vida e ela se renova, se refaz, como se eu estivesse sendo gestada outra vez para um novo encontro...

Olhei o mar colorido naquele tom laranja compulsório do ocaso,  que gestava em suas águas férteis e mornas uma nova noite, como ante sala de um outro amanhecer...

PS. Amiga, se chegar a ler isto que escrevi, retorne postando um comentário e saberei que lembrou daquela nossa ultima conversa.  Beijo.

Um comentário:

O Sibarita disse...

kkkk E agora? Comento ou não comento? Omodeu! kkkkkkkkk

Ô moça! kkkk Melhor esperar o comentário de quem espera o feedback, né não? kkkkk

Ao certo, o amor nas suas nuances, estratégias e aprendizados...

Mas, o amor firme faz a gente andar com duas fomes, né não? kkkkkkkk

O importante é que vc superou, oi que bom!

Oi Fia, você está prontinha para deixar um novo céu penterar pela janela dos olhos e sentar praça com luas e estrelas no seu coração em novos desejos, repare... kkkkk

O Sibarita