Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a humanidade. E não estou alegre nem triste; este é o destino dos versos [...]. Quem sabe quem os lerá? Quem sabe a que mãos irão? Fernando Pessoa.

Obs. usando a autonomia que a licença poética e a própria cultura brasileira me permitem, não adoto linearmente essa segunda outorga (arbitrária) da língua portuguesa.


sexta-feira, março 08, 2013

A nós, MULHERES... (Guacira Maciel)



Queridas, desejo que este dia de hoje, seja mais um de todos os que já vencemos e dos que ainda venceremos em todas as nossas lutas; desde a luta diária de acordar e fazer com que o dia tenha muuuito mais de 24 horas, pelo volume de coisas que conseguimos fazer, com qualidade e sensibilidade, até amar com todo o coração, esquecendo (se pudermos) as dores que passaram e com o coração cheio da esperança, que nunca abandona uma mulher, de dias melhores, de chuva suave para levar embora o cansaço, o desânimo, a saudade, as injustiças, o desamor, a violência, o desrespeito...brisa leve para bagunçar os nossos cabelos como um aviso do retorno da esperança, do ânimo novo, do amor e da possibilidade de amar, da luz, das bençãos, das coisas novas, ou nem tanto, mas com um olhar novo sobre aquelas das quais já tinhamos quase desistido... afinal, em qualquer parte do Universo, falando qualquer idioma, somos guerreiras, somos ousadas, somos frágeis e fortes: somos MULHERES!

Beijo a todas,

Um comentário:

O Sibarita disse...

Dona moça, o que seria do mundo sem as mulheres? Não teriamos mundo...

O seu texto como sempre brilhante, Fia, você sabe das coisas.

Que este 8 de março sirva de reflexão aos mandatários desse mundarel que teimam com suas leis montadas em alcorões e religiões negando direitos de muitas mulheres.

Parabéns pela data e sorria você está sendo filmada! kkkkkkkkkkkk

O Sibarita