Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a humanidade. E não estou alegre nem triste; este é o destino dos versos [...]. Quem sabe quem os lerá? Quem sabe a que mãos irão? Fernando Pessoa.

Obs. usando a autonomia que a licença poética e a própria cultura brasileira me permitem, não adoto linearmente essa segunda outorga (arbitrária) da língua portuguesa.


quarta-feira, junho 15, 2011

Direitos Humanos...(Cont.)


Entre 1913/5 ocorreram várias - do que eu chamaria - revoltas operárias contra o desemprego e as dificuldades trazidas pelo custo de vida, sendo uma das mais importantes, a que se iniciou um pouco mais tarde, por volta de 1917, na Tecelagem Crespi, em São Paulo, que levou 35 empresas à paralisação. Entre outras reivindicações, exigiam o fim do trabalho infantil e, apesar da repressão, houve adesão de outros setores, levando o movimento à vitória, com repercussão em outros estados brasileiros.

Em 1922 foi a vez da revolta da classe média, em conseqüência da crise econômica dos anos anteriores. Três revoltas militares no Rio de Janeiro desencadearam o Tenentismo, um movimento de caráter civil, cujos objetivos foram a democratização do país e a moralização do governo; esse movimento se fundamentou no descontentamento de outros setores da sociedade. Entra em decadência a República Oligarca de caráter elitista e excludente; entretanto, existem alguns pontos obscuros nessa história, como um todo (os 18 do forte não seriam 18; em outro momento poderemos entrar em detalhes...). Seu desdobramento foi a:

Coluna Prestes – em 1925/27 e muito significativo, porque seu objetivo era derrubar o governo de Artur Bernardes. Houve uma mobilização intensa de “1.6 mil homens em 13 estados brasileiros” até sua dispersão na Bolívia. Sob a liderança de Luis Carlos prestes, que diante do que considerou um terrível quadro social, concluiu que apenas a substituição do presidente “não resolveria esses problemas”.

Revolução de 30 e “era Vargas”, de 1930/45. As reivindicações trabalhistas foram reconhecidas e regulamentadas, inclusive controladas, através de algumas leis:
em 1932 criou-se a carteira de trabalho e os direitos trabalhistas dos brasileiros foram reconhecidos (jornada de 8h diárias; descanso semanal obrigatório e remunerado, férias anuais remuneradas, proteção ao trabalho da mulher e proibição do trabalho do menor, indenização por dispensa sem justa causa, assistência e licença remunerada a gestantes) e organizou-se a Previdência Social. Revolução Constitucionalista (em S. Paulo), cujo objetivo era a elaboração de uma Constituição brasileira.
Em 1934 – Elaborou-se a Constituição e se estabeleceu: eleições diretas, com voto secreto para os dois gêneros; extinção do cargo de vice-presidente da República; criação do mandato presidencial de 4 anos, sem direito à reeleição; criação do mandato classista.

Em 1935 - Revolta vermelha (Intentona Comunista), inspirada no socialismo-comunismo, nas idéias marxistas (esquerda).

Em 1937 – Plano Cohen por militares liderados pelo capitão Olímpio Mourão Filho e assinado por um comunista fictício chamado Cohen.
De 1937 a 1945 foi o período da Ditadura da “era Vargas”; Estado Novo. Elaborada a Constituição de 1937. Ponto culminante negativo (para mim), suspensão das eleições em todo o território Nacional....

Nenhum comentário: