Da mais alta janela da minha casa, com um lenço branco, digo adeus aos meus versos que partem para a humanidade. E não estou alegre nem triste; este é o destino dos versos [...]. Quem sabe quem os lerá? Quem sabe a que mãos irão? Fernando Pessoa.

Obs. usando a autonomia que a licença poética e a própria cultura brasileira me permitem, não adoto linearmente essa segunda outorga (arbitrária) da língua portuguesa.


quinta-feira, janeiro 07, 2010

Zênite fecundo

Te alimentas
da nobreza da guerreira celta em seus opostos
intrépida fêmea
Boudicca rainha
Invencível Andraste
e fértil
como a terra bronze.
E liberta...
Entre a sombra e a luz
te fazes amor e morte.
Profunda literatura espiralada.
Em teus retornos
escondem-se limites insuspeitados
irreconhecidos.
Na volúpia das curvas orgânicas sensíveis,
acolhedora Xangai tresloucada
vaticínio de submersas águas
de torvelinhos de cristal divinizados
percebo-te o zênite fecundo.
Abertos
ofertados
arrulhas a mim
incontrolável
palavras aladas
versos...

5 comentários:

Uma aprendiz disse...

Guacira,

Vim conhecer seu blog e gostei muito.

Parabéns!

Lindo esse trecho:

"Abertos
ofertados
arrulhas a mim
incontrolável
palavras aladas
versos... "

beijos

P.S.: Estou te seguindo e já linkeri seu blog ao meu.

Guacira Maciel disse...

Obrigada, querida...venha mais vezes e sinta-se à vontade (até para discordar, no caso das pesquisas) minha mãe dizia que da discussão nasce a luz e, se somos aprendizes...
Também pretendo te seguir(risos) e linkar seu blogue.
Beijo,
Guacira

O Sibarita disse...

Rrraaapppaaazzz! kkkkk Dona moça, você jogou foi duríssimo, não? kkk

Valha-me Cristo! kkkkk

E assim, fenix vai renascendo filosoficamente haveria de dizer O dramaturgo alemão Heiner Müller ... oi que bom! kkkkk

Dona moça, excelente poesia!

bjs
O Sibarita

Uma aprendiz disse...

Uai, e por que ainda não está?
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Guacira Maciel disse...

Menino!! Que bom que você gostou...
Obrigada, cara! Você é demais!!!!
Beijo.